sábado, 27 de setembro de 2008

Discos: Death Magnetic por Metallica (2008)


Nova série de postagenes, sobre discos diversos e variados. Começarei com os lançamentos do ano.

Metallica volta à tona com o dever de se superar, principalmente o fracasso que foi o St. Anger. E pelo que parece conseguiram fazer um grande disco de metal.

O próprio baterista da banda, Lars, disse que tenta dar apoio à novas bandas, mas nenhuma consegue inovar, fazer um som que valha a pena, e por isso que o Metallica não para.

Músicas pesadas, sem enrolação, diretas e sem firula. Muita distorção e solos com muita velocidade por parte de Kirk.

Há um abuso de Kirk no uso do wah-wah, quase todo solo e utiliza o pedal e fica meio repetitivo, mas ainda assim continua foda. Apesar das músicas terem mais de 7 minutos (7 das 10), não as deixam nem um pouco monótona em grande parte. O baixo em minha opnião fica omisso em algumas músicas.

Muita energia!!

That Was Just Your Life: Uma ótima música de abertura, já mostra como o álbum vai ser, muito peso e riff marcante.

The End Of The Line: Grande música, mais um riff que marca, grande solo, ótimas variações, a partir dessa música Kirk começa seu abuso no pedal wah-wah. O refrão é grandioso, tudo é grande nesse música.

Broken, Beat & Scared: Uma música que segue o mesmo estilo das outras duas, não há muitas diferenças, as variações, as quebras etc.

The Day That Never Comes: Aqui o James canta do seu jeito, puxando o final das palavras com o famoso "YEAAAAAH". A música começa calma e vai crescendo, conta com bons solos, empolgante e na medida certa, sempre com muita energia. Primeiro single do disco, conta com um clipe que é uma mega-produção.

All Nightmare Long: Uma longa introdução que culmina num excelente riff, com um refrão mais melódico, segue uma linha já conhecida nesse disco e do próprio Metallica em geral, os fãs adoram, então não tem porque inventar muita coisa. Genuinamente uma música do Metallica, então não cabe repetir aqui tudo o que já foi dito antes (muita energia, distorção, um solo forte etc.).

Cyanide: Muitos adoraram a música, mas não vejo nada demais nela, é o uso da mesma fórmula, mas não deu muito certo. Ficou faltando algo nela, talvez pela energia que vem das outras e quando chega nela dá uma quebrada, apesar da música tentar ser agressiva.

The Unforgiven III: Agora há uma mudança no disco, uma música mais lenta, mas esse estilo também já é conhecido no Metallica. Uma canção orquestrada que no pré-refrão ensaia uma crescida que não consegue se concluir completamente no refrão. O nome chama a atenção para o disco, quando peguei pela primeira vez queria ir direto pra ela pra ver como era, me impressionou de primeira, mas agora não parece o que era antes. O solo (com wah-wah pra variar) se encaixa muito bem e dá a música um crédito, mas o "pós-solo" decepciona.

The Judas Kiss: Talvez a grande música do disco, o andamento é perfeito, a música mais empolgante, tudo soa certo. Essa música não surpreende talvez numa primeira audição, como ocorreu comigo, mas depois de ouvir mais umas quatro vezes consegui reconhecer o valor dela. Uma aula de como se fazer uma música. Um solo (o wah-wah cai muito bem nesse caso, apesar do exagero) brilhante com um excelente efeito e no estilo deles, com muita energia. Até se lamente o fim da música.

Suicide & Redemption: Uma música instrumental, que apesar de seus quase 10 minutos não dá sono. O grande destaque pra essa música é a guitarra, que quase sempre está solando, o baixo tem seu espaço reservado à uma pequena frase apenas no meio da música.

My Apocalypse: Uma rapidinha, literalmente. 5 minutos, pequena pra média do álbum. Segundo single do disco. Não chama a atenção, só pra quem curte uma batida rápida pra ficar balançando a cabeça feito louco.



Não me senti a vontade pra fazer essa análise, mas como é o principal disco de 2008. Os fãs de Oasis tem que aceitar, já que a expectativa era maior pra esse disco.

Se quiser baixar, "com sua conta em risco" (by Silvio Santos), vá no Orkut que tá cheide links.

Na Semana Que Vem: DIG OUT YOUR SOUL do OASIS.

Edit: Já adiantando, o titulo será "Digo Em Alto e Bom Som"... Rááá!!

7 comentários:

Rafael disse...

Oasis? Podia postar sobre o do Motorhead, e o do AC/DC.

Punk Star disse...

Terá lek... pode ter certeza, mas vamos começar com os mais falados pela mídia.


E no próximo vai ter humor misturado com uma análise séria.

Chá das 6 disse...

excelente coluna, manda ver.

se puder fazer sobre o do pato fu, eu adoraria.

Abraço.

Chá das 6 disse...

e tb botar um link pra download do disco.

:D

Punk Star disse...

É sim... colocarei os links sim. Sugestões de discos são bem-vindas, de preferencia lançamentos, nesse primeiro momento.

Então na ordem:

1 - Metallica
2 - Oasis
3 - Motorhead
4 - Pato Fu
5 - AC/DC
6 - The Killers

Pode mudar caso o disco não seja lançado à tempo.

lobatinho disse...

O próprio baterista da banda, Lars, disse que tenta dar apoio à novas bandas, mas nenhuma consegue inovar, fazer um som que valha a pena, e por isso que o Metallica não para.

_______________________________

Nada modesto o Lars heim!!

lobatinho disse...

uma das poucas bandas de metal "audivéis",justamente por ter muito lirismo,ainda ñ ouvi,mas ñ deve ser diferente dos anteriores,que em nada lembra o Metallica do "Black Album" pra trás