terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Discos: Years Of Refusal por Morrissey


Décimo disco solo do "pai do indie", como é chamado. Mas esse disco está longe de ser indie, é um disco pop que lembra seus tempos Smiths, só que mais suave.
Morrissey e seu timbre de voz inconfundível já passou por várias fases após o fim do The Smiths, e não decepcionou em nenhum disco, talvez apenas em Maladjusted de 97.

Sempre com canções sobre relacionamento, política e sobre a vida em geral, quase sempre vendo tudo isso de forma bem negativa, as vezes apelando para a religião, é a voz de alguém que está procurando um lugar para se apoiar.

Os fãs do Morrissey são um capítulo à parte, são considerados os mais fanáticos, parece perderem a razão nos shows, invasões de palcos são comuns em todos os shows do cantor.

Years Of Refusal não traz nada de novo, mas sim a volta dele para o estilo que o mais consagrou na carreira solo, a volta para a época do You Are The Quarry, de 2004, que considero ser seu melhor disco.

O disco não traz nenhum clássico do mesmo nível que "Suedehead" e "Irish Blood, English Heart" mas está em ótima harmonia e mantém um nível alto em todas as canções.

Músicas compostas por Morrissey, em parceria com Alain Whyte, Boz Boorer e Jesse Tobias, os dois últimos são músicos da banda do Moz.

Something Is Squeezing My Skull: Um pop rock rápido, puxado pro punk rock, uma grande música, simples e com um refrão ótimo.

Mama Lay Softly on the Riverbed: Um começo que lembra Smiths, começa meio tensa pela batida da bateria e no refrão fica suave, mas no verso seguinte volta a batida e o peso. Uma música aparentemente bonita se fosse só o instrumental, mas a letra mostra não tem nada de bonita, mas é ótima!

Black Cloud: Uma das grandes músicas do disco, se destaca das outras, continua tensa, assim como a anterior, mas se solta no refrão. Essa é a cara do Morrissey.

I'm Throwing My Arms Around Paris: A grande música do disco, uma balada linda, magnífica! Dois minutos e meio de música, mas é o necessário pra encantar. A melhor!

All You Need Is Me: Mais uma grande música, bem Smiths, impossível não lembrar da antiga banda dele, rápida e direta, um baixo forte e um verso cantado sem enrolação. Tem um solo? Não sei se dá pra chamar de solo, mas não importa, caiu muito bem.

When Last I Spoke to Carol: É tipo um folk, música espanhola, rápida e com instrumentos de sopro, dá pra ouvir um galo cantando a certa altura, repetidas vezes, isso não ficou bom, ainda mais porque soa muito artificial. Uma tentativa de se aventurar fora do seu espaço, o que Morrissey sempre faz em seus discos, e faz muito bem, mas dessa vez não deu muito certo.

That's How People Grow Up: Uma música que se destaca também, mais pela letra. Música que não é inédita já havia sido usada pra promover sua última coletânea.

One Day Goodbye Will Be Farewell: O disco das músicas com títulos longos continua em bom nível, a bateria agora soa repetitiva, muito sintetizador e uma melodia agradável e bonita. Óbviamente que a beleza fica só na melodia, pois a letra é muito triste. Especialidade do Morrissey pra você.

It's Not Your Birthday Anymore: Um título bem sugestivo, letra e melodia agora combinam, ambos depressivos. São essas músicas que deixam os fãs do Morrissey (os fãs mais fanáticos do mundo) em transe nos shows. Um clima de fim, é o que essa música tem.

You Were Good in Your Time: Uma balada pacata, de fim de noite, lembra muito Smiths, só que mais moderno, é uma canção e tanto pra quem gosta desse tipo de música, pode dar sono em quem gosta de mais animação. A música termina mas continua um som "ambiente".

Sorry Doesn't Help: Começa calma e depois fica boa, um pop rock rápido, mantem um certo nível, mas o refrão não é bom. Se tivesse que esolher uma música pra tirar do disco seria essa.

I'm OK by Myself: Mais uma música rápida, com a atmosfera Morrissey, puxada pro punk rock também, aliás não podemos esquecer, Morrissey foi influenciado pelo punk rock dos anos 70, principalmente por um dos "pioneiros" do gênero, o New York Dolls, banda que Morrissey conseguiu reunir em 2006. Mas o punk dessa música acaba no refrão, só pra avisar.


Mais um bom disco do Morrissey, não acho que seja um clássico do músico, não tem nenhuma música candidata à clássico. Porém é sempre ouvir coisa nova de quem você gosta.
GERAL: 7/10


Destaques:

I'm Throwing My Arms Around Paris:
http://www.youtube.com/watch?v=zNixe-Y65RY

All You Need Is Me
http://www.youtube.com/watch?v=ElemRKA9r1c

1 comentários:

lobatinho disse...

The Smiths é uma das minhas bandas preferidas e a carreira solo do morrissey é algo à parte,q já ñ gosto muito,axo simplesmente mediana,assim como esse novo disco.